Skip to main content

Expansão da geração solar centralizada poderá avançar por meio do crescimento de projetos no mercado livre e de novas aplicações

Conforme especialistas, há pouco tempo, a fonte solar tornou-se alvo dos investidores do ACL devido aos ganhos de competitividade e progressos tecnológicos

Em fala realizada durante webinar viabilizado pela Fundação Getúlio Vargas, Jean Bellavia, diretor de desenvolvimento de negócios da Enel, disse que o maior número de projetos no ambiente de contratação livre (ACL) e a elaboração de novos usos da tecnologia fotovoltaica poderão estimular a expansão do reconhecimento da geração centralizada na matriz elétrica brasileira.

“Novos usos da fonte, como o armazenamento, projetos híbridos e hidrogênio verde, junto com o crescimento de empreendimentos fotovoltaicos no mercado livre, vão acelerar a entrada da geração solar centralizada na matriz. Acho que veremos números diferentes nos próximos anos”, relatou Jean.

No mesmo webinar, Rodrigo Sauaia, presidente executivo da Associação Brasileira de Energia Solar Fotovoltaica (ABSOLAR), analisou que, há pouco tempo, a fonte solar tornou-se um alvo dos investidores do mercado livre devido aos ganhos de competitividade e progressos tecnológicos.

“Efetivamente, estamos vendo os primeiros passos da energia solar fotovoltaica em grandes projetos no mercado livre. Até 2018, a fonte não era uma referência de competitividade nesse ambiente, mas isso mudou a partir do ano seguinte e a tecnologia ganhou mais espaço em 2020”, assinalou o dirigente.

“Esperamos que, com a expansão que deve acontecer cada vez mais puxada pelo mercado livre, a solar apresente um portfólio de projetos com preços competitivos. Vem aí uma participação cada vez maior e mais relevante dessa fonte na matriz”, destacou Sauaia.

Eduardo Tobias, diretor-geral da Watt Capital, explicou o avanço desse movimento no mercado livre por meio dos dados da Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel). “Projetos fotovoltaicos com viabilidade alta de entrada em operação previstos para 2021 e 2022 somam 1.77 GW, sendo 1250 MW só no ACL e 520 MW no ambiente de contratação regulada. Esse é um número que ilustra o estoque de PPAs que foram assinados nos anos anteriores”.

Segundo os números da Associação Brasileira dos Comercializadores de Energia (Abraceel), a fonte solar protagonizará, nos próximos cinco anos, a expansão do segmento elétrico, com 92% de sua geração voltada ao mercado livre de energia elétrica e 14,8 GW de projetos em desenvolvimento.

fonte: Portal Solar

%d blogueiros gostam disto: